Caros amigos,

Esta carta-manifesto* fala de conquistas, ausências, silêncios e desafios.

Uma carta que nasce de um mundo onde se faz necessário refletir, com mais freqüência e cuidado, sobre nossas ações cotidianas; onde também se faz urgente examinar, com atenção e minúcia, as expectativas do estar junto por um objetivo comum.

Uma carta que expressa o desejo de uma dança para todos em um momento bem oportuno e tão especial, que é a semana do Dia Internacional da Dança, dia 29 de abril.

Uma carta parecida com as que tradicionalmente conhecemos, mas de outro jeito. Não é escrita à mão, mas busca concretizar a ligação física entre pessoas e idéias. Não foi dobrada em um envelope, nem lacrada e enviada para outro lugar como um segredo, mas se faz aqui pública como uma voz aguda e provocativa sobre coisas urgentes.

Uma carta-manifesto que se faz pública porque deseja um diálogo mais regular com a dança, com mais pessoas da dança presentes na formulação de políticas públicas, como já existe no município, com uma coordenação de dança, mas que se faz ausente no governo estadual. Nós da dança também precisamos de conselheiros de cultura que sejam da área de dança tanto na Prefeitura de Fortaleza como no Governo do Ceará, e não diluída no termo genérico das artes cênicas. Temos editais municipais e estaduais, sim, mas carecem de serem lançados com datas certas e sem atraso nos pagamentos, justamente para não fragilizar o que já existe e o que ainda não existe.

Uma carta que acredita nas conquistas e que manifesta sua preocupação no cuidado mais atencioso tanto por nós como por nossos gestores, principalmente quando temos também o setor privado tentando estabelecer alguma relação com a dança. Uma relação de muitas relações que é valiosíssima, mas que carece de ajustes no sentido de uma melhor compreensão das especificidades da dança como produto da cultura e da arte.

Uma carta que respeita os mais variados modos de existência da dança, mas se inquieta diante da ameaça de nos fecharmos para as transformações do mundo em que vivemos. Vamos nos questionar. O que muda quando considero a dança como uma linguagem do corpo que busca problematizar questões no mundo? O que se modifica quando reconheço que a dança é uma expressão artística que não deixa que o movimento do corpo morra de clichê, que é uma partilha de muitos sensíveis da experiência humana? O que se altera quando vejo a dança como algo singular feito por artistas, e não como algo que pode ser feito de qualquer modo, sem nenhuma especialização? O que me mobiliza quando aceito que ter experiências com a dança me faz um ser humano melhor?

Uma carta-manifesto que se refere a um contexto municipal e estadual, certamente, contexto este que mantém um vínculo mútuo de transformação com um contexto maior, que é a dança no Brasil e que representa uma dança de muitos sotaques. Uma dança que é arte, cultura, educação, política, economia, sociedade, mundo. Logo, uma arte que não é sozinha, nem solitária, que vem sendo construída por muitos e que desfaz um tratamento recorrente que coloca a dança em segundo plano, como uma arte de pano de fundo.

Um manifesto-carta que se posiciona contra os desmandos dos Conselhos tanto o Regionais como o Federal de Educação Física que tentam submeter o exercício da docência em dança ao controle da Educação Física. É bom deixar claro que a dança não é mera competência atlética ou apenas preparação corporal. Dança é uma área de produção de conhecimento de altíssima complexidade, de altíssimo poder de transformação cultural e social.

Uma carta de palavras potentes, proclamada por pessoas de dança e que nasce aberta para ser ouvida por todos, que se faz manifesto por palavras que devem estar presentes em nossas mentes e em nossos corpos durante todo o ano. É um resultado simbólico e circunstancial de um esforço coletivo que se questiona: Por que o Ceará ainda não tem uma graduação pública de dança, diante da criação de outras graduações em universidades públicas da região Nordeste, como Natal, Recife, Maceió, Sergipe e Salvador? Por que ainda não temos uma licenciatura em dança quando temos muita coisa acontecendo fora da universidade e que dá sentido a esse desejo coletivo?

Eis aqui uma carta, um manifesto. Uma voz de muitas vozes no desejo de quebrar silêncios e ausências, de ficarmos felizes porque estamos conseguindo caminhar menos raquíticos do que outrora. Um outrora quando não era possível sonhar, mas que agora já não é tão impossível assim, quando podemos e devemos fazer um bom uso das conquistas, no sentido de criar possibilidades de reflexão.

Agir assim, tentar agir assim é fazer com que nossas ações tenham como rumo certo uma boa contribuição para a consolidação de um pensamento de dança em Fortaleza, no Ceará, no Brasil, no Mundo. Um pensamento que nos torne sábios.

 

Carta-manifesto organizada pelo Fórum de Dança do Ceará para leitura pública na programacão comemorativa durante a semana do Dia Internacional de Dança, Dia D da Dança, dia 29 de abril.

Print Friendly