Corpo que se mutila ou se deforma. Corpo que se declama ou se soletra. Corpo que se adorna ou se veste. Corpo que se passeia ou se vai de encontro. Corpo que se pinta ou se tatua. Corpo que se vende ou se compra. Corpo que se tem ou se é. São indícios de um processo cultural que seria, no mínimo, ingênuo pensar que se trata da eliminação do corpo como existência no universo natural. O que se pode com o corpo? Em ação interventiva no mundo, que seja artística ou social, nosso corpo diz muito do que somos, de onde partimos, de onde estamos e, principalmente, para onde vamos (desejamos e/ou, escolhemos ir). Quanto vale, então, um corpo (que dança)? Ou melhor, quanto o (a) fazemos valer?

A dança contemporânea, no sentido de uma reflexão sobre as práticas artísticas e educativas, vem se configurando numa ambiência de experimentações do corpo, com variadas nuances de conceituações e sensibilidades. Tanto que tem sido bem comum perceber criadores de dança trabalhando com coisas não ou pouco habituais de dança. Fazer isso é promover deslocamentos que criem uma espécie de terceira via para redimensionar o já reconhecido e legitimado como tal. Como perceber é agir, logo, é no corpo que as permanências do tempo se mantêm processuais e, de certo modo, produtivas. Estabilidades e instabilidades co-existem entre sins, nãos e talvezes. Dança problematiza questões políticas e encontra soluções provisórias no corpo e pelo corpo.

Alguns exemplos colaboram com essa proposta de diálogo crítico-ensaísta, junto com uma atenção pertinente da curadoria da sétima edição da Bienal cearense. A Cia. Balé Baião (Gerson Moreno) são corpos-resistência onde o que os move é a denúncia poética que corta na carne. A Artelaria (Paulo José) é corpo dramático e sonoro que fala de amor e de afetos. Fauller (Cia. Dita) é corpo coreográfico antropofágico quando devora suas vivências Fortaleza-Paris. Andréa Sales é corpo físico e dramatúrgico quando faz de um varal de estender roupas o lugar/local para desnudar pequenas grandes violências cotidianas.

Como ainda, Vera Mantero (Lisboa, Portugal) e Silvia Moura (Centro de Experimentações em Movimento – CEM), sendo performatividade lusófona, são corpos dinâmicos de pessoas e ideias que fazem algo e, nesse fazer, dizem muito, e transformam o entorno. O Grupo Cena 11 (Alejandro Ahmed) são corpos tecnológicos quando assumem, cenicamente, o risco constante de provar e comprovar os limites da natureza dita humana. A Cia. Vatá (Valéria Pinheiro) são corpos percussivos e dançantes que tensionam o regional-popular na relação com pessoas aparentemente à margem da sociedade. O Teatro Máquina (Fran Teixeira) são corpos brechtianos onde o gesto grita vorazmente, no silêncio da palavra falada, um Nordeste que exala contemporaneidade.

Uma pausa quase final. Quanto vale um corpo não é tratá-lo como pessoa-mercadoria. Fazê-lo valer algo funcional, segundo uma ética coletiva, é forjar situações outras menos confortáveis. Na dança, essa valoração necessita de uma tomada de decisão que leve em conta que fazer dança no Brasil é lidar diariamente com muitos poréns que não são só artísticos, mas também humanos e diretamente relacionados com os processos de colonização iniciados há mais de 500 anos e que continuam sendo reproduzidos até hoje. Corpos colonizados, sim, e estarmos conscientes disso é o esforço estético para ousarmos outras danças nas quais forma e conteúdo estejam indissociáveis.

Entender isso, tudo isso, nem que seja um pouco, nem que seja de vez quando, mais e mais, mais ou menos, e gradativamente, tende-nos a potencializar o corpo para a arte e para a vida, sendo uma ação engendrante de como ele (o corpo) vai se organizar politicamente. Exatamente para questionar: dançar no Ceará, pode/podemos?

Ensaio crítico originalmente publicado em outubro de 2009, no Caderno Especial da VII Bienal Internacional de Dança do Ceará, no Caderno Vida & Arte, do Jornal O POVO (CE).

 

Print Friendly